Weby shortcut
Youtubeplay
bicicleta deitada

Ciclismo praticado em família

Confira como foi o VII Passeio Ciclistico da Família realizado no Câmpus Samambaia

Anamaria Rodrigues

Alegria, bem-estar e saúde. Essas foram as palavras que marcaram o VII Passeio Ciclístico da Família realizado no Câmpus Samambaia da UFG neste mês de setembro (16). Por ocasião do Dia Internacional de Proteção da Camada de Ozônio, moradores dos bairros próximos à universidade, estudantes, professores e demais membros da comunidade atenderam ao convite para  pedalar. O evento, organizado pelos Programas de Educação Tutorial (PETs) da UFG e moradores da Vila Itatiaia, teve o objetivo de valorizar o uso da bicicleta como meio de locomoção saudável e sustentável, além de unir toda a comunidade em um momento de descontração. O passeio durou cerca de 30 minutos e reuniu, segundo a organização, 360 inscritos. Os participantes doaram 1 quilo de alimento não perecível que foi entregue à Capela Nossa Senhora da Piedade na Vila Itatiaia. Eles também concorreram ao sorteio de uma bicicleta.


Segundo o líder do grupo de cicloturismo Pedal Girativo, Josiel Vieira, o passeio ocorreu pela primeira vez em 2004 por iniciativa do grupo que desejava organizar uma atividade diferente para a comunidade do bairro. O evento ocorreu por três anos seguidos, exceto em 2007 e 2008. Em 2010, integrantes do grupo (que também eram professores da UFG) decidiram inscrever o passeio como projeto de extensão na Pró-reitoria de Extensão e Cultura (Proec/UFG). Foi o que explicou o tutor do PET de Engenharia de Alimentos, professor da Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, Celso José de Moura: “Eu moro no Itatiaia, pedalo no grupo com outros professores, alunos e servidores da UFG, e vimos a oportunidade de uma integração com a universidade”, disse Celso.

Passeio Ciclistico


O evento
A concentração começou às 8 horas, próximo ao Centro de Cultura e Eventos da UFG. No local, 50 bolsistas dos PETs realizaram atividades. O PET Engenharia de Alimentos ficou responsável pelas inscrições e entrega de camisetas, o PET Enfermagem por aferir a pressão dos participantes e tirar dúvidas sobre hipertensão. Já o PET Nutrição distribuiu frutas, sucos e água. O Grupo Integrado de Ações Contra a Dengue (GIAD/UFG) também esteve presente, alertando a população para os problemas causados pela dengue e as atitudes a serem tomadas para se evitar a proliferação da doença. No local também foi foram instalados um pula-pula e uma mesa de pingue-pongue e realizada uma oficina com materiais recicláveis.


O reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, aproveitou a oportunidade para apresentar a proposta de criação de uma ciclovia e ciclofaixa para o Câmpus Samambaia. Concebida pelo Centro de Gestão do Espaço Físico (Cegef/UFG), a proposta prevê a integração dessa ciclovia com a que será construída pela Prefeitura de Goiânia, que ligará o Câmpus Samambaia ao Câmpus Colemar Natal e Silva, na Praça Universitária. A ciclovia e ciclofaixa que será implantada pela universidade passará pela Escola de Agronomia e pelos setores Jardim Pompeia e São Judas Tadeu, com acesso para os demais bairros da região. O reitor também destacou que o projeto prevê a construção de bicicletários e vestiários na universidade para atender aos usuários desse meio de transporte. “O Cegef/UFG já fez o projeto e nós esperamos ainda este ano a liberação de recursos do MEC para iniciarmos as obras desse espaço, que pretende contribuir para a mobilidade em Goiânia”, explicou o reitor.


Antes da partida, as baterias do curso de Farmácia e Ciências Biológicas realizaram um duelo que animou os presentes e promoveu um aquecimento para o passeio. Os exercícios de alongamento dos músculos ficou a cargo de Rafaela Valeryano, da empresa Saúde Laboral, que presta serviços para a universidade há quase três anos. Segundo ela, “se o exercício é realizado sem ter sido antecedido por um alongamento dos músculos, o indivíduo pode vir a ter uma lesão ou mesmo uma contusão”. Ela destacou que o alongamento não deve ser feito apenas antes do exercício físico, mas também depois, pois o corpo precisa desacelerar.
Aproximadamente às 10 horas, o passeio teve início e percorreu oito quilômetros dentro da Vila Itatiaia, saindo pela Avenida Esperança e retornando por ela. Grande foi a quantidade de famílias que participaram, como foi o caso de Luciene Rodrigues Ribeiro que estava com o marido e a filha. Há três anos receberam o convite para participar do passeio e desde então não perderam mais. “Além de realizarmos uma atividade física, podemos aproveitar o espaço para socializar com as pessoas”, explica Luciene.

 

bicicleta canguru
Até mesmo as crianças pequenas puderam participar, pois seus pais já haviam adaptado a própria bicicleta com banquinhos para que elas tivessem o prazer de “passear”. Balões foram entregues a muitas crianças, que logo os amarraram em suas bicicletas, o que deixou o passeio ainda mais bonito.

 

Por que pedalar?

O exercício feito em bicicleta faz muito bem à saúde. O ciclismo é uma atividade aeróbica que, por ser de longa duração, promove a melhora cardiovascular e muscular.  Mesmo indivíduos sedentários conseguem pedalar durante um tempo prolongado. O aumento da capacidade aeróbica do indivíduo melhora o trabalho do coração, diminui a pressão arterial em repouso e o risco de doenças cardíacas. Já a melhora muscular é consequência do fortalecimento dos músculos, obtido a cada dia pela capacidade em pedalar longas distâncias. Essa atividade aumenta a capacidade do organismo para metabolizar gorduras e transformá-las em energia, promovendo uma diminuição das reservas do organismo. Além de emagrecer, pedalar diminui  as chances de doenças metabólicas, como o diabetes.


Segundo o professor da Faculdade de Educação Física da UFG, Eduardo Santos, com o ciclismo uma pessoa de 70 quilos gasta de cerca de 180 a 300 kcal/hora (tendo como intensidade moderada 180kcal e intensidade alta 300kcal). Os homens, em geral, têm mais massa magra (músculos) que as mulheres, e quanto maior a quantidade de massa magra, maior será o gasto energético em qualquer situação, seja em repouso ou durante o exercício físico.


Portanto, o ciclismo proporciona bem-estar ao organismo de modo geral, ao exercitar diretamente coração, pulmões e músculos diversos, e, de forma indireta, influir no funcionamento dos outros sistemas orgânicos. Mas Eduardo Santos lembra que todos esses benefícios só serão possíveis se a pessoa pedalar regularmente, ou seja, ao menos três vezes por semana. “Para as pessoas que pedalam somente aos finais de semana, essas melhoras orgânicas podem ser bem mais lentas ou nem mesmo ocorrer”, explica o professor.

Fonte : Ascom UFG

Categorias : Saúde Ciclismo projeto de extensão

Arquivos relacionados Tamanho Assinatura digital do arquivo
Jornal UFG 54 p16 474 Kb acb63160657dac89a7444ebd00aa4781
Listar Todas Voltar