Weby shortcut
Youtubeplay
Retranca Torcida

Muito além de torcida à beira do campo

Equipe de cheerleading da UFG  quebra preconceitos sobre o esporte ainda pouco praticado no Brasil

Caroline Pires

Alunos de diversos cursos da Universidade Federal de Goiás (UFG) formam, desde o início do ano, o primeiro grupo de cheerleading universitário do estado de Goiás. A equipe vem quebrar os preconceitos e a primeira impressão do senso comum de que o cheerleading se resume em meninas brancas, loiras e magras balançando pompons ao lado de um campo de futebol americano.

O Sealand Cheer, nome da equipe da UFG, reúne 22 estudantes das mais diversas áreas, que levam a sério o esporte e treinam exaustivamente os movimentos coreográficos quatro vezes na semana. A ideia da criação do grupo surgiu em outubro de 2017, quando Ellen Gomes, estudante do curso de Educação Física da UFG, ainda no ensino médio, viajou para a Nova Zelândia para realizar um intercâmbio e se apaixonou pelo esporte, que é bastante praticado lá. “O que me encanta é que o cheerleading abrange todo tipo de pessoa. Todos os corpos têm espaço no esporte e isso me apaixona e motiva a cada treino”, afirmou. Ellen explica que trabalha para que estigmas sejam quebrados, segundo ela, uma das principais barreiras é a ideia de que apenas as meninas têm espaço no esporte e que sempre deve haver um time pelo qual se torcer. Ela lembra que metade da equipe da UFG é formada por homens e que cada pessoa possui um papel fundamental e único durante a elaboração das coreografias.

Equipe de cheerleading da UFG

O esporte faz parte de um projeto de extensão da UFG, vinculado à Faculdade de Educação Física e Dança (Foto:Carlos Siqueira)

O esporte é dividido em quatro principais eixos: saltos, acrobacias de ginástica artística, dança e pirâmide humana. Para que todas essas áreas sejam executadas de maneira adequada, é fundamental que os corpos sejam trabalhados para corresponder aos movimentos que são demandados. Para isso, o Sealand desenvolve suas atividades sob a orientação do Professor Gustavo De Conti, da Faculdade de Educação Física e Dança (FEFD), e é um projeto de extensão da UFG desde abril de 2018. O professor explica que o esporte tem ligação com várias áreas, como o treinamento esportivo, métodos e processo de treino e exige uma noção aprofundada de Biomecânica, além de ser uma excelente opção de oferta para a comunidade em geral. O professor destaca que a parceria para a execução do projeto tem sido muito profícua, “por um lado, temos uma monitora que já foi atleta da modalidade e eu contribuo com a instrumentalização do esporte por meio do conhecimento científico”, completou.

Alexandre de Almeida Xavier, é aluno do Programa de Pós-Graduação em Matemática, e ingressou na equipe há 2 meses, mas nesse curto tempo ele já conseguiu muito mais do que novas amizades. “Após sair da graduação e ingressar no mestrado eu senti a necessidade de aproveitar melhor o que a UFG poderia me oferecer. Os alunos precisam descobrir que a universidade tem muito mais do que ensino”, destacou. Além do espírito de equipe e de cooperação, o esporte desenvolve também a musculatura do participante. “Descobri músculos que eu nem sabia que existiam!”, brincou Alexandre.

Apoio à diversidade

A Pró-Reitoria de Assuntos Educacionais Prae/UFG, por meio da coordenação de Esporte e Lazer, tem apoiado as atividades do projeto. O professor Juracy Guimarães destaca o prazer que o esporte proporciona aos participantes, pela plasticidade e força utilizada durante a prática, mas também a necessidade de que a universidade apoie iniciativas não convencionais de prática esportiva. “Não podemos ficar restritos só aos esportes tradicionais. Por isso, a coordenação seguirá apoiando não só essa iniciativa, mas também badminton, rúgbi e tantas outras existentes, hoje, na Universidade”, afirmou.

Com a orientação do treino baseada em princípios metodológicos e pedagógicos voltados para os aspectos físicos, técnicos e rítmicos da modalidade, a equipe apresentou grandes progressos e participará do Campeonato Brasileiro de Cheerleading 2018, que será realizado no mês de dezembro no Rio de Janeiro, com apoio de transporte da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis.

Equipe de cheerleading da UFG

Rodapé

Categorias : extensão Edição 99

Listar Todas Voltar